Postagens

Eu sei que há amor entre nós, mas é preciso um pouco de cuidado.
Na sua cidade venta muito, não podemos deixar que isso leve embora os nossos desejos.
Na minha cidade faz muito frio, não podemos deixar que isso esfrie nossos corações.
Eu desejo pra nós que seja sempre sol, que seja sempre verão, que seja sempre quente e que haja sempre suor.
Tenho me sentido cada dia melhor.
Tenho respirado mais.
Tenho passado os dias sem pensar muito, sem esperar grandes acontecimentos...
A graça toda está aí, viver esperando menos perfeição...
Apenas um dia de cada vez.

Sobre os testes...

Não sou um objeto para ser testada
Sou feita de carne, osso e coração.
Com muitos e infinitos defeitos, mas nenhum que prejudique mais outra pessoa do que a mim mesma.
Tenho antes de tudo o cuidado de ser sempre honesta, principalmente comigo, depois com o outro, nem sempre de uma maneira doce como eu gostaria, mas da maneira que sei e consigo ser.
Dispenso as validações nesta fase delicada da minha vida, prefiro que me presenteiem com a verdade, com o carinho, com a autenticidade e mesmo com as delicadezas que não sei oferecer.
Tem me faltado a generosidade da compreensão do que não entendo, pois na idade em que estou tudo se torna muito claro.
Quero apenas a simplicidade, o óbvio, o inteiro...
E cada vez que minha intuição grita, eu não quero silenciar, eu quero dar voz ao que sinto e ser ouvida.
Ando sem paciência para assuntos e atitudes repetitivas, quero o frescor da novidade,  mas não necessariamente de pessoas novas, mas sim daquelas que se predispõem a crescer e evoluir junto…

Se eu soubesse que iria morrer...

Se eu soubesse que iria morrer eu simplesmente iria parar de querer tudo para ontem e viveria o que me resta sem tanta ansiedade.
Faria apenas coisas prazerosas, as palavras seriam mais brandas e consequentemente os dias seriam mais leves.
Terminaria de ler os livros que ainda estão em menos da metade.
Ouviria mais as músicas que gosto.
Organizaria a vida de modo que tudo ficasse redondinho para gerar o menor esforço e o mínimo de trabalho para os outros.
Faria uma limpeza nos meus "caderninhos", tem muita bobagem que escrevi nem sei quando e porque.
Arrumaria as gavetas para que ficasse uma boa lembrança e comentários depois de..."nossa, como ela era organizada!"
Eu iria elaborar uma lista de doações, distribuindo "partes" de mim para as devidas pessoas, eu vejo que minha casa hoje é a junção de todos que acrescentaram algo para minha vida.
Eu pediria desculpas à quem magoei, e tenho certeza de que também receberia pedidos de perdão.
Iria passar uns dias…
Você riu da minha insegurança.
E eu chorei pela sua insensibilidade.

Qual é o seu objetivo?

Sobre os acasos da vida que em determinado momento não sabemos o que fazer, por outra obra do "acaso" eis que surge a pergunta:
_ Qual é o seu objetivo?
Necessário e bastante providencial saber.
Sinto falta de suas delicadezas, lugar que agora é ocupado pelo ódio, crítica e dureza.
Sinto em ver no que transformamos um sentimento tão bonito, verdadeiro, alegre, sensível...
Sinto por tudo e pela maneira como as coisas mudaram, como a generosidade ficou pequena perto da grandeza que somos nós.
Hoje quando fui questionada a respeito dos meus objetivos me passou um filme na cabeça. Eu sempre tive tantos e os persegui com muita coragem.
Hoje eu só quero retomar e prosseguir, da maneira mais pura que só o amor proporciona, sem machucar, sem ofender, apenas sendo AMOR.

Mudança

Ao amor que vivi, resta-me a gratidão.
Por tudo que espontaneamente fui, mesmo que nem sempre agradável.
Por toda lucidez que me trouxe, depois de viver muita fantasia.
Pelos grandes goles que bebi sem me atentar às consequências.
Eu diminuí a distância quando te mantive dentro do meu coração o tempo todo.
Eu ignorei qualquer sinal quando o que eu mais queria era sentir você nos meus braços novamente.
Eu relevei, fingi não sentir, eu empurrei com a barriga o que eu não podia suportar até o dia em que emagreci e não tinha mais barriga para empurrar.
Eu me fiz de cega, surda e muda.
Até o dia em que não pude mais ver, ouvir ou falar.
Eu amei muito e sempre, mesmo na dúvida, eu amei.
Mesmo que empaticamente eu tentasse entender as razões pelas quais as coisas continuavam da mesma maneira, uma voz sempre me dizia que o tempo estava passando e que nada havia mudado.
Resistimos aos altos e baixos. Fomos e voltamos, fizemos acordos e desfizemos, nossos planos nunca tiveram a consistência que…